sábado, 28 de fevereiro de 2009

Arronches – Com a Vita Activa - Por uma Europa livre de Transgénicos



A iniciativa Vita-Activa nasceu há sete meses na Alemanha mas durante uns quantos dias é portuguesa. O projecto “Vita-Activa”, protagonizado pelo jovem casal Maria e Markus Schlegal, circula pela Europa numa carruagem antiga puxada por dois cavalos “Irish cob”, com o intuito de sensibilizar a população para a agricultura sustentável e alertar contra os alimentos transgénicos, promovendo alternativas ecológicas e socialmente justas.
Em Portugal estes arrojados viajantes que já percorreram 8000 kilómetros desde o Sul da Alemanha, chegaram a Arronches no passado dia 26 de Fevereiro local onde promoveram acções de sensibilização junto da comunidade escolar da EB 2/3 Nª. Sr.ª da Luz e visitaram também alguns agricultores arronchenses que continuam a praticar a agricultura tradicional. Na manhã de Sábado dia 28/02/2009 a manhã dos activistas da Vita-Activa acompanhados por elementos da “Plataforma Transgénicos Fora”, promoveram junto dos clientes do Mercado da Cooperativa Trabalho e Progresso de Arronches uma acção de informação com distribuição de panfletos alertando para os perigos dos alimentos manipulados por técnicas genéticas.

Com partida do Largo Serpa Pinto (antigo Largo da Cadeia), pelas 12.00 horas a caravana da Vita-Activa deixou Arronches acompanhada por activistas da “Plataforma Transgénicos Fora”, seguindo para o Monte dos Tojais, local onde vão passar a noite para na manhã seguinte partir para Portalegre.
Depois de Portalegre a caravana da Vita-Activa segue para Nisa, vila Velha de Ródão, Castelo Branco e Monfortinho local onde deixa Portugal para prosseguir a viajem por Espanha de regresso ao Lago de Constanza na Alemanha.


O que são Transgénicos?

No que respeita aos transgénicos, a própria planta é um insecticida ou resistente a um herbicida, o que resulta numa maior aplicação de pesticidas ao longo dos anos e a contaminação do meio ambiente. Quanto aos impactos na saúde humana os consumidores são forçados a ser cobaias comendo os transgénicos sem saber, já que os únicos a garantir a segurança destes alimentos são as mesmas empresas que os produzem – empresas essas que são tudo menos de confiança.

Em 2008, o Ministério do Ambiente autorizou a realização de ensaios experimentais com milho geneticamente modificado (dos tipos 98140 e GA21) solicitados por empresas Pioneer e Syngenta para Monforte e Ferreira do Alentejo.
Os principais argumentos contra a realização dos ensaios de transgénicos em Monforte são extremamente importantes para se ignorarem: - O terreno aprovado para o cultivo experimental de transgénicos em Monforte está classificado como Rede Natura 2000. O cultivo de transgénicos na área de Rede Natura pode ter impactos irreversíveis na protecção de aves estepárias desta região.

- O milho transgénico 98140 não está estudado nem autorizado para consumo humano ou animal e por isso, a entrada deste na alimentação humana, através da contaminação transgénica (corrigor?) em outras culturas de milho (durante o cultivo experimental de transgénicos ) ou, através do mel produzido de polén transgénico tem por isso efeitos desconhecidos na saúde humana…

- Em Monforte este ensaios foram aprovados contra a vontade expressa de órgãos municipais deste concelho que se opuseram unanimemente à sua realização tanto em sede de Executivo Municipal quanto em Assembleia Municipal (que já tinha aprovado por unanimidade, a criação de uma Zona Livre de Transgénicos em Monforte).
Fonte: Plataforma Transgénicos Fora

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Elvas com o melhor Carnaval do Alentejo


Agora que o Carnaval está terminado é tempo de fazer balanço da edição 2009, facilmente se pode constatar que Elvas voltou a surpreender pela positiva com o melhor Carnaval do sul do País. O número de participantes e público que veio até Elvas voltou a bater recordes e o facto de ser o único Carnaval Internacional também lhe deu uma importância superior.

O Carnaval de Elvas foi mais uma vez organizado pela Câmara Municipal e contou com centenas de figurantes portugueses e também muitas centenas de comparsas espanholas, tanto do Carnaval de Badajoz como do Carnaval da vizinha cidade de Olivença.

Apesar do rei e da rainha não serem figuras públicas, muito menos vedetas brasileiras de telenovelas ou dos morangos com açúcar, o Carnaval de Elvas tem vindo a tornar-se um dos principais cartazes turísticos da cidade, atraindo a Elvas milhares de pessoas, podendo ombrear com o que de melhor se faz a nível nacional. Só a Feira de São Mateus tem a capacidade de trazer a Elvas mais forasteiros.
No entanto, é com alguma mágoa que registamos que, ano após ano, o Carnaval de Elvas tem sido menosprezado pelos vários canais televisivos, merecendo pouco destaque...ou nenhum. Quando de Carnaval se fala, as televisões apontam baterias para Torres Vedras, Loulé, Ovar, Mealhada ou Sines. Elvas, mais uma vez cai no esquecimento...
Para uma coisa estamos a centenas de quilómetros de Lisboa, para outras, ao virar da esquina.

No final do último desfile que teve lugar na tarde de Terça-feira o presidente da Câmara Municipal de Elvas, Roldão de Almeida era um homem feliz, manifestando a sua satisfação pelo sucesso do Carnaval raiano que voltou a atrair milhares de visitantes, sucesso esse para o qual contribuiu a participação da população do concelho e apoio da autarquia elvense…

Esperamos que a famosa crise não venha a afectar o Carnaval elvense que em 2010 o sucesso se repita, são os votos formulados pelo Arronches em Notícias.
Fonte:
http://asdualidades.blogspot.com/2009/02/carnaval-de-elvas-2009.html

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A RTP em Arronches com o Casal Câmara Pereira



O conhecido casal Câmara Pereira, Gonçalo e Carmo foram os convidados do Programa Praça da Alegria da RTP 1, hoje dia 25 de Fevereiro de 2009.
Tendo o canal 1 da RTP feito deslocar uma equipe de reportagem, conduzida pela popular Sónia Araújo ao Monte da Torre em Arronches.

No decorrer do programa "Praça da Alegria" Sónia Araújo em diferentes directos de Arronches, para além de ter dado a conhecer esta bonita propriedade agrícola, entrevistou o conhecido fadista e engenheiro agrário e também ex vereador da Câmara Municipal de Arronches Gonçalo da Câmara Pereira.
Já no final do programa o casal Câmara Pereira convidou os telespectadores da RTP a visitarem Arronches e a descobrirem a sua excelente gastronomia com destaque para os pezinhos de coentrada e sopa de cação servidos no restaurante a Estalagem.

É caso para dizer que o Alentejo e Arronches em particular estão na moda, tendo em poucos dias recebido a visita de dois importantes canais de televisão um espanhol e outro português, que certamente contribuíram para divulgar um pouco mais as potencialidades turísticas e culturais deste concelho raiano do nordeste Alentejano.

Emitido diariamente a partir dos estúdios do Porto, o PRAÇA DA ALEGRIA é uma produção da RTP que aposta em manhãs sempre animadas, com entrevistas, música, passatempos e participações telefónicas e via SMS de todo o país e do estrangeiro.

Num espaço cenográfico que recria as típicas praças existentes na Ribeira do Porto, encontramos a simpatia dos melhores comunicadores da televisão portuguesa, Sónia Araújo, Serenella Andrade, Jorge Gabriel e Helder Reis, que em conversa com convidados vindos dos quatro cantos do mundo, dão a conhecer ao espectador as suas diferentes actividades profissionais, desde a mais erudita à mais desconhecida.

A música portuguesa encontra aqui um espaço de divulgação privilegiado, não esquecendo a "Banda da Praça da Alegria", que abrilhanta o programa assiduamente.

Contacto da Praça da Alegria:
Praca.da.alegria@programas.rtp.pt



A RTP em Arronches com o Casal Câmara Pereira



O conhecido casal Câmara Pereira, Gonçalo e Carmo foram os convidados do Programa Praça da Alegria da RTP 1, hoje dia 25 de Fevereiro de 2009.
Tendo o canal 1 da RTP feito deslocado uma equipe de reportagem, conduzida pela popular Sónia Araújo ao monte da Torre em Arronches.


No decorrer do programa Praça da Alegria a pivot da Sónia Araújo em diferentes directos de Arronches, para além de ter dado a conhecer esta bonita propriedade agrícola, entrevistou o conhecido fadista e engenheiro agrário e também ex vereador da Câmara Municipal de Arronches Gonçalo da Câmara Pereira.
Já no final do programa o casal Câmara Pereira convidou os telespectadores da RTP a visitarem Arronches e a descobrirem a sua excelente gastronomia com destaque para os pezinhos de coentrada e sopa de cação do restaurante a Estalagem.


É caso para dizer que o Alentejo e Arronches em particular estão na moda, tendo em poucos dias recebido a visita de dois importantes canais de televisão um espanhol e outro português, que certamente contribuíram para divulgar um pouco mais as potencialidades turísticas e culturais deste concelho raiano do nordeste Alentejano.

Emitido diariamente a partir dos estúdios do Porto, o PRAÇA DA ALEGRIA é uma produção da RTP que aposta em manhãs sempre animadas, com entrevistas, música, passatempos e participações telefónicas e via SMS de todo o país e do estrangeiro.
Num espaço cenográfico que recria as típicas praças existentes na Ribeira do Porto, encontramos a simpatia dos melhores comunicadores da televisão portuguesa, Sónia Araújo, Serenella Andrade, Jorge Gabriel e Helder Reis, que em conversa com convidados vindos dos quatro cantos do mundo, dão a conhecer ao espectador as suas diferentes actividades profissionais, desde a mais erudita à mais desconhecida.
A música portuguesa encontra aqui um espaço de divulgação privilegiado, não esquecendo a "Banda da Praça da Alegria", que abrilhanta o programa assiduamente.

Contacto da Praça da Alegria:
Praca.da.alegria@programas.rtp.pt

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Arronches – Um dia na Feira de Fevereiro…



Hoje dia 24 de Fevereiro em Arronches foi dia de feira, com o bom tempo a convidar a sair de casa foram muitos os arronchenses e forasteiros vindos inclusive da zona raina da vizinha Extremadura espanhola que visitaram a nossa feira.
Como habitual numa feira havia por lá venda um pouco de tudo, desde fruta, têxteis, plásticos, plantas ornamentais e árvores de fruto, calçado, brinquedos e os tradicionais bares de feira onde se podia tomar um copo ou petiscar com os amigos.

Mas o que me levou hoje a falar-vos sobre a nossa feira foi ter por lá encontrado à venda verdadeiras raridades, coisas que no passado foram comuns nas feiras do Alentejo mas que hoje tendem a desaparecer.
Encontrei por lá exposto à venda esta carroça alentejana que ilustra este texto, devidamente equipada com a respectiva mula, uma charrua, grade e demais equipamentos inerentes à lavoura.
Não faltaram interessados na carroça e animal, inclusive aqueles que lhe foram verificaram o estado da dentição do animal, não fosse a mula ter os dentes estragados ou ser demasiado velha.

Não faltaram na feira também os chocalheiros que no passado com os seus chocalhos fizeram as delícias de pastores, vaqueiros ou cabreiros, mas que hoje maioritariamente tem por clientes os coleccionadores destes objectos sonoros.

As principais feiras de Arronches são a 24 de Fevereiro, 24 de Maio, 24 de Agosto e 24 de Novembro.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Notícias de Arronches – Destaques da Edição de Fevereiro



Foi distribuída hoje a edição nº 73 do Jornal Notícias de Arronches referente a Fevereiro de 2009.
Sendo os destaques da capa desta edição uma entrevista aos responsáveis pela “Cooperativa Trabalho e Progresso do Concelho de Arronches” (página 5), “João Lopes o treinador do Sport Arronches e Benfica, esclarece as causas da equipa ocupar os últimos lugares no Campeonato”, (página 4), “Réplica da Fonte d’Elvas pode regressar ao local de origem”, (página 8) e “O monfortense Dr. Joaquim Mourato, é o novo Presidente do Instituto Politécnico de Portalegre (IPP)”, na (página 7).

Nesta edição merecem ainda destaque o “Achado arqueológico visto à Lupa por especialistas”, a crónica dos irmãos Velez “Já não há fronteira”, “Recordando outros caminhos – Estradas antigas e dos dias de hoje”, pelo Engenheiro António José Zuzarte e ainda a “Montaria em Vale de Cavalos”, com apenas seis javalis abatidos.

O jornal Notícias de Arronches é uma publicação mensal independente que sai na última semana de cada mês, sendo distribuído em cinco concelhos do distrito de Portalegre e zonas limítrofes da Extremadura espanhola.

Notícia de Arronches é uma publicação gratuita dirigida pelo jornalista Fernando Neves Marques.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Arronches pelo Carnaval – A ratinha da tua saia


O Carnaval no concelho de Arronches foi uma época festiva muito participada pela população até por volta de 1970, altura em que mutas tradições do Carnaval local começaram a desaparecer, tais como as actividades ligadas ás semanas dedicadas ás comadres e compadres, com muitas brincadeiras e as suas bandeiras e bailaricos e também a ruidosa chocalhada oferecida pelos rapazes ás meninas solteiras, chocalhada esta que tinha lugar na noite do dia das comadres com a rapaziada a cantar cantigas a porta da moça e a tocar os chocalhos.
Muitos mascarados espontâneos animam outrora as ruas e praças com os seus singulares disfarces de Carnaval.
O enterro da Sardinha era devidamente ensaiado por um maestro, que nos últimos anos foi dirigido pelo Sr. Arranha, envolvendo o mesmo largas dezenas de participantes, acabando por ser todo um acontecimento que no dia do Enterro da Sardinha percorria Arronches e localidades vizinhas.
Actualmente o Carnaval de Arronches resume-se ao desfile Escolar, assim como à participação e dois ou três espontâneos como os Srs. Nicolau e tio Carlos, que amantes da música e das tradições arronchenses teimam em mater viva a memória do nosso antigo Carnaval.

As fotos que neste nosso espaço partilhamos hoje com todos vós, foram efectuadas no dia 22/02/2009 no Largo da Cadeia em Arronches, na altura em que o Sr. Nicolau animava um grupo de amigos da sua idade.


Imperdível a canção “A ratinha da tua saia”, executada pelo Sr. Nicolau. Deixo a sugestão porque não recolher essas velhas músicas tocadas pelo também maior mestre da Sopa de Peixe da ribeira de Arronches, antes que venham a cair nos esquecimento…

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Arronches na Rota do Projecto "Vita Activa" em Portugal



Está desde Quarta-feira dia 18/02/2009, em Portugal, o Projecto "Vita Activa". Este projecto visa percorrer em carruagem com cavalos, cerca de 8.000 kms pela Europa, numa campanha a favor da agricultura sustentável e contra o uso de organismos geneticamente modificados (ogm´s).

Ao longo das próximas duas semanas atravessará alguns dos concelhos do interior do país, cruzando os distritos de Portalegre e de Castelo Branco. Serão feitas diversas apresentações em Escolas, Institutos e Colectividades, tentando deste modo informar e mobilizar a população para a importância do tema. Terão também lugar diversos contactos com a comunicação social.

A actividade iniciou-se esta Quarta-feira dia 18 em Campo Maior, com apresentações a crianças num Centro Educativo, jovens na Escola Secundária e população na Praça Central. Depois disso seguiu para Ougela, onde num centro de animação ambiental de uma Associação nossa parceira, foi feita uma apresentação para os residentes na aldeia.

Vai decorrer uma marcha alargada com a participação de todos os interessados entre Arronches e Portalegre nos dias 28 Fevereiro e 1 de Março. Serão cerca de 24 kms pela paisagem norte alentejana, divididos em dois dias, com a partida no Sábado, dia 28, de Arronches e chegada no Domingo, dia 01, a Portalegre.

Até ao fim da sua presença em Portugal o Projecto "Vita Activa" vai ainda passar por… Arronches, Portalegre, Nisa, Vila Velha de Ródão, Castelo Branco e Monfortinho (trajecto a confirmar).

Fonte: Quercus Portalegre

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Arronches – Desfile de Carnaval 2009



Realizou-se hoje dia 20 de Fevereiro, pelas 14h:30m, o desfile de Carnaval das Escolas do Concelho de Arronches. O cortejo teve início na Escola Básica 2/3 Nª. Senhora da Luz e percorreu as principais artérias da vila tendo o seu terminus na Rua Dr. Edmundo Curvelo frente à Escola Primária.
Neste cortejo de Carnaval participou a Pré - Primária de Arronches, Escolas do Primeiro Ciclo, Jardim de Infância e utentes do Centro de Bem Estar Social de Arronches.
















Numa tarde bonita já com sabor a Primavera foram muitos os arronchenses que vieram assistir ao já tradicional desfile de Carnaval Escolar.
Ainda nesta Sexta feira dia 20 a Associação de Bombeiros Voluntários de Arronches leva a efeito um baile de Carnaval que terá lugar nas instalações dos BVA e se espera bastante animado.


É corrente ouvir-se dizer que no “Carnaval ninguém leva a mal”. Caracterizando-se por ser uma época de folia, brincadeiras e diversão, a verdade é que, não poucas vezes, a mesma se pode transformar-se em tragédia e pesadelo. Por isso aproveitamos para deixar alguns conselhos, beba com moderação, não conduza se beber, cuidado com as quedas e muita atenção a disfarces e fatos potencialmente inflamáveis, entre outros cuidados a ter em consideração nas brincadeiras de carnaval...

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Arronches – Património Arquitectónico em Exposição



No átrio do Centro Cultural de Arronches está patente a exposição “Património Arquitectónico de Arronches”, com trabalhos realizados pelos alunos das turmas do 8ºA e 8ºB e ainda do 9ºA e do 9ºB da EB, 2/3 Nª Sr.ª da Luz.
Estes trabalhos agora expostos ao público foram efectuados em Área de Projecto no âmbito do tema: “Património Arquitectónico de Arronches”, de forma a assinalar o Dia da Padroeira.
Coordenou este projecto que decorreu no Ano Lectivo 2008/09 na Disciplina de Educação Visual a Docente: Cristina Sala.
A exposição poderá ser vista no Átrio do Centro Cultural de 18/02 a 05/03/2009, das 10.00h ás 18.00 horas, de Segunda a Sexta-feira.
Na área de Assemblagem Ready – Made, com o tema a Candeia, foram construídos diversos objectos artísticos reutilizando objectos diversos que resultaram em curiosas e coloridas candeias.
Para mais informação poderá aceder ao site da EB, 2/3 Nª Sr.ª da Luz em:

http://moodle.ebi-arronches.rcts.pt/login/index.php

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Arronches - Capitão Augusto Picão Tello Escritor e Combatente da Grande Guerra



Augusto Picão da Silva Tello nasceu em Arronches a 15 de Fevereiro de 1894. Filho de José da Silva Lobão Telo e de Ana Teodora da Silva Telo.
Nasceu numa família numerosa, tendo tido quatro irmãos, a Ana o Miguel, Mário, António e o conhecido jornalista elvense José Picão Telo.
Estudante distinto Augusto Telo, obteve excelentes classificações em todas as escolas por onde passou.
Frequentou os Liceus de Portalegre e Pedro Nunes, de Lisboa, a Escola Politécnica, o Instituto Superior Técnico, a Escola Militar e a Universidade de Coimbra. Além do curso da arma de artilharia, possuía o quarto ano completo de engenharia.
Alistado como voluntário no Regimento de Cavalaria 1, em 26 de Setembro de 1916, foi promovido a alferes a 22 de Outubro de 1917, sendo aspirante a oficial do regimento de Artilharia 3, a Tenente por decreto de 1 de Dezembro de 1921 e a Capitão em Dezembro de 1927.
A 28 de Março de 1921 casou com Maria Júlia Nunes da Silva, de cuja união nasceriam dois filhos.

O Capitão Augusto Tello fez parte do Corpo Expedicionário Português a França, combateu na Grande Guerra de 1917 a 1918, onde foi atingido por gases. Na batalha de 9 de Abril foi feito prisioneiro dos alemães, sendo internado no campo de Uchester meen Fuchesberg.
Os maus-tratos que sofreu durante a prisão neste campo e a intoxicação pelos gases, de que foi vitima no campo de batalha, foram as causas principais de uma doença que durante alguns anos lhe causou atroz sofrimento, acabando por o falecer a 8 de Fevereiro de 1932.
Possuía as seguintes condecorações: Cruz de Guerra, Oficial da Ordem Militar de Aviz, medalha comemorativa da campanha de França 1917 -1918, medalha da Vitoria e medalha militar de Prata da classe de comportamento exemplar.

Aos 21 anos fez Augusto Tello, na Liga Naval Portuguesa, uma conferencia subordinada ao tema “A Família e a Tradição”, tendo realizado outras conferencias na Escola de Guerra, na Associação Académica de Coimbra, no Liceu de Portalegre, pouco tempo antes de piorar o seu estado de saúde, havia sido convidado para fazer uma conferencia no Grémio Alentejano, sobre os “Campos do Alentejo”.A sua actividade literária, condicionada pela doença de guerra que afectou, resumiu-se á publicação de um único livro de versos, intitulado “Intimas”, publicado em 1921 pela Casa Moura Marques, de Coimbra, livro dedicado a seus pais, onde numa dedicatória manuscrita diz: «A meus pais, a quem tudo devo, com um beijo de gratidão e amor eterno, ofereço os meus primeiros versos».

Com apenas 15 anos Augusto Tello, dedicou a seu pai, que pela força do destino, se viu forçado a ir procurar em terras de África o pão para o sustento da sua numerosa família, um sentido soneto que transcrevemos do seu livro “Intimas”.
Quando a morte o surpreendeu tinha prestes a entrar no prelo, possivelmente na Imprensa da Universidade de Coimbra, um valioso estudo sobre “Os Barros de Estremoz”. No seu espólio literário deixou “Breves elementos para o estudo do estilo romântico”, cuja publicação se iniciou no extinto jornal “Correio Elvense”.

A sua casa de Coimbra, aquando dos seu tempos de estudante foi uma espécie de cenáculo onde em animadas tertúlias participaram nomes brilhantes da literatura e da cátedra portuguesas, tais como Eugénio de Castro, Virgílio Correia os doutores Serras e Silva e Elísio de Moura, Vitorino Nemésio, António Vitorino entre outros.
Grande amigo e admirador do escritor António Sardinha, foi quem maior influencia exerceu no seu espírito, com António Sardinha manteve até a morte do poeta de Monforte, as mais fraternas relações pessoais e intelectuais.
Nascido em Arronches, 
e prematuramente desaparecido, o Capitão Augusto Picão da Silva Tello, pela sua actividade literária e postura exemplar como homem de cultura e militar, foi um arronchense ilustre digno de reconhecimento público.

Fica a sugestão porque não homenagear-mos o Capitão Augusto Tello, reeditando o seu livro “Íntimas”, ou mesmo editando algum dos seus trabalhos ainda inéditos, efectuar uma pequena mostra na Biblioteca Municipal alusiva ao Capitão Augusto Telo. Ou ainda porque não homenagear este e outros ilustres arronchenses na área da toponímia local atribuindo o seu nome a uma das ruas de Arronches, agora simplesmente denominadas por ruas A ou B.

Soneto dedicado ao pai
Desde o dia chuvoso, em que partiste
A procurar o pão p’ra todos nós,
Anda a minh’alma amargurada e triste,
Com ânsias loucas de te ouvir a voz.

Dentro do peito, no meu peito existe,
Rio de mágoas, de ignorada foz,
Desde o dia chuvoso em que partiste,
A procurar o pão p’ra todos nós.

Como Cristo subindo o seu calvário,
Cingindo já em mente o seu sudário
Tinha saudades de Seu Pai Celeste,

Assim também pela vida adiante,
Suporto a minha cruz de cada instante,
Lembrando o beijo que no cais me deste.


Referências bibliográficas:

-Intimas, Coimbra: Viana e Dias, 1921.

- Artigo publicado no nº. 76 (2ª série) do jornal “Correio Elvense”, correspondente a domingo, 14 de Fevereiro de 1932.

«A Participação de Portugal na Grande Guerra», Luís Alves de Fraga, in História Contemporânea de Portugal (Dir. João Medina), Primeira República, tomo II, Lisboa, Amigos do Livro, Editores, 1985, pp. 34-53.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Arronches - Um Concelho solidário com Cartão do Idoso





À semelhança do interior do país, o concelho de Arronches enfrenta actualmente uma situação de envelhecimento da sua estrutura demográfica, quer pelo decréscimo de nascimentos, quer pelo aumento da esperança média de vida. Por conseguinte, o efectivo populacional com mais de 65 anos tem vindo a aumentar significativamente, suscitando desde logo algumas preocupações de ordem social e económica.
Se, por um lado, as despesas com a saúde tendem naturalmente a aumentar com a idade, por outro lado, os rendimentos disponíveis tendem a diminuir, pelo que importa dar uma resposta que atenue as dificuldades que alguns segmentos populacionais mais desfavorecidos enfrentam.

Não podendo ficar alheio a esta problemática, e sob o slogan "Arronches, um Concelho solidário", nos dias 28, 29 e 30 de Janeiro, a Câmara Municipal de Arronches procedeu à entrega do Cartão Municipal do Idoso, respectivamente nas Freguesias de Mosteiros, Esperança e Assunção.

Foi ainda apresentada a Oficina Domiciliária de Arronches, que prestará gratuitamente pequenos arranjos nas áreas de carpintaria, electricidade, construção civil, água e saneamento, e outros nas habitações dos portadores do Cartão Municipal do Idoso.


Documentos necessários para a atribuição do Cartão do Idoso:


● Declaração de Rendimentos ou Declaração de IRS (Finanças)

● Declaração de Bens Imóveis (Finanças)

● Duas fotografias

● Atestado de Residência (Junta de Freguesia)

● Bilhete de Identidade

● Cartão de Contribuinte

● Declaração da Segurança Social com o valor da pensão de reforma.


Onde requer o cartão:

Câmara Municipal de Arronches
Edf. Do Centro Cultural - Apartado 8 7340-012 ARRONCHES
Telefone: 245580080 Fax: 245580081
Email:
eiarronches@mail.telepac.pt



Mais informação sobre o Cartão do Idoso

Fundação Cartão do Idoso
Av. Almirante Reis, 243, r/c
1000-051 Lisboa
Tel: (+351) 218 460 876/81Fax: (+351) 218 460 880

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Arronches - Casinhas de (a) Brincar em Exposição no Museu



Ao longo dos anos as casinhas de (a) brincar fizeram as delícias dos mais novos e ainda hoje em plena época de brinquedos electrónicos, essa tradição ainda se mantêm.

O Museu de (a) Brincar possui no seu espólio várias casas antigas, devidamente mobiladas, que já serviram de brinquedo aos nossos pais e avós.

Nesta exposição são apresentadas várias casas construídas pelos alunos do 1º Ciclo de Arronches, Pré - Primária de Arronches, Esperança e Barulho (Mosteiros), Infantário do Centro de Bem-Estar-Social e pelos utentes do Centro Bom Jesus de Esperança e do Centro Comunitário de Mosteiros.
Na construção das casas desta mostra foram utilizados os mais diversos materiais.

Esta exposição está patente ao público de 03 de Fevereiro a 05 de Abril de 2009 no Museu de (a) Brincar, de Arronches.

A iniciativa e coordenação desta exposição é da responsabilidade do Centro Lúdico de Arronches, que funciona no edifício do Centro Cultural, que apoia de forma lúdica e pedagógica as escolas da área do município.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Portalegre – O Corro visto pela Dr.ª Delmira Maçãs


Foi numa tarde de Verão que a pretexto do livro “A Senhora da Lapa”, conheci a Dra. Delmira, tinha procurado este livro por tudo o que era livrarias e bibliotecas da região mas sem sucesso.
Não desistindo de procurar esta publicação decidi ir bater à porta da autora da referida obra, a Dra. Delmira Maçãs, amigos e conhecidos tinham-me avisado que seria perda de tempo, a senhora não atendia ninguém e muito menos facultava a entrada estranhos no seu imenso palacete da Quina das Beatas.
Acabei por verificar que estavam errados, logo na minha primeira visita a casa da Dra. Delmira acabei por passar lá a tarde e voltar para Arronches como o famoso livro da “A Senhora da Lapa”, mas sem as compras que tinha pensado efectuar em Portalegre, visto as lojas já terem fechado.

Ficamos amigos no primeiro contacto, seguiram-se mais umas quantas visitas e troca de publicações. Pouco tempo antes da grave situação de saúde que afectou a senhora tínhamos começado a fotografar para ilustrar um seu trabalho a editar em 2006.
Embora já idosa tinha projectos para o futuro, mas que acabariam por ser interrompidos pela doença súbita que a atingiu aquando das suas férias na praia.
Pessoa muito culta e excelente comunicadora, sem vaidade a Dra. Delmira Maçãs era filha única, sem descendente directos e possuidora de uma imensa fortuna que herdou de seus pais, mas soube conservar até à sua morte em 14 de Outubro de 2007.

Dedicou a vida ao estudo académico, as suas especialidades sempre foram a Filologia e a Genealogia, áreas onde tem algumas obras publicadas.
Depois da sua morte que aconteceu num Lar da cidade de Tomar, fique surpreendido ao saber pela imprensa que a Santa casa da Misericórdia de Lisboa era a herdeira do seu vasto património, apenas com a obrigação de que lhe publicar a sua obra – uma série de estudos académicos sobre Genealogia. A minha surpresa reside no facto de me ter feito referencia, em mais de uma ocasião a uma fundação e um futuro espaço museológico na sua casa de Portalegre de forma a homenagear e perpetuar a memória dos seus falecidos pais que tanto gostavam daquela casa, situação essa que estava a ser tratada com a colaboração de um seu primo que residia na zona de Portalegre.

Pelo que julgo que a última vontade da Dra. Delmira Maçãs, embora nobre e digna de uma grande mulher, não seria apenas partilhar a totalidade da sua fortuna com os pobres, de certa forma representados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A sua fortuna era constituída por 71 prédios - 40 rústicos e 31 urbanos - nos concelhos de Portalegre, Castelo de Vide, Crato, Monforte e Portalegre que valerão bem mais de 25 milhões de euros, além de objectos de valor incalculável, como, por exemplo, talvez a maior colecção conhecida de sinetes (anéis) romanos, guardados no cofre de um banco, ou uma grande colecção de vidros romanos, em parte proveniente das ruínas da cidade Romana de Ammaia, também de extraordinário valor, e uma valiosíssima colecção numismática "com as moedas desde D. Afonso Henriques, mas de que vendeu uma parte".
Só sobreiros a dar cortiça serão cerca de um milhão, a que se junta dinheiro (que se estima que possa ser mais de 2,5 milhões de euros), fundamentalmente em contas na CGD e no Santander Totta, e variadíssimos bens móveis, onde avultam muitas e raras peças de loiça de grande valor, uma importante biblioteca e todo o recheio das 55 divisões do palacete da Praça da República, em Portalegre, construído parte sobre a sacristia do beatério de S. Brás e outra parte sobre a casa que foi de D. Iria Gonçalves, mãe de D. Nuno Álvares Pereira.

************************************************************************************
Em memória dessa grande senhora e alentejana que foi a Dra. Delmira Maçãs, venho hoje partilhar com todos vós uma das últimas fotos que lhe efectuei e um pequeno texto da sua autoria.
*************************************************************************************
Portalegre – O Corro visto pela Dr.ª Delmira Maçãs

… Como a nossa casa tinha frente para o Corro, quartas-feiras e sábados era uma festa. Logo de manhãzinha, começavam a chegar os vendedores. Os de mais longe vinham das herdades em carros de bois ou carroças, os das hortas circundantes nos burros. No Inverno, os homens vestiam safões e pelicos, as mulheres usavam chaile e lenço e saias rodadas. Na véspera à tarde, já tinham sido colocados os estrados onde os produtos seriam expostos…

O Joaquim do Peixe vendia o pescado muito fresco, acabado de chegar num camião de Sesimbra. As hortaliças e a fruta, os cestos com ovos e queijos, as galinhas vivas e os coelhos davam o colorido que harmonizava com a algazarra das vozes e dos zurros. No Corro de Cima, estendia-se a loiça do Redondo, alguidares, panelas e tachos de barro, pratos com flores e bichos pintados. Apareciam também bufarinheiros, certo dia um vendia lenços de assoar, que apregoava: “Um ranhoso a dez tostões!”

Vinham senhoras finas com as criadas de avental branco e as menos ricas com criaditas de avental de riscado e descalças.
Nesse tempo a variedade e qualidade das frutas produzidas na região era uma orgia, conforme as estações, pêras dona Joaquina, pérola, francesa, e da rata, abrunhos de França e gostos da vida, maçãs giralda, de espelho, reineta, cerejas, ginjas, maracotões e carecas… tudo fresco, acabadinho de colher. Ainda não se usavam os pesticidas, podiam comer-se com casca, sem perigo de envenenamento. Então as batatas, cozidas com a pele e só depois peladas desfaziam-se na boca, uma delícia, ali mesmo, numa das casas subterrâneas, a Adelina vendia o leite acabado de mugir.

As tabernas do Corro, nesses dias, não tinham mãos a medir. O Cara d’ Anjo era afamado pelas iscas, que a mulher preparava. A tia Maria, assava sardinhas no fogareiro da sua pequena tasca, o vizinho Joaquim vendia pirolitos muito frescos, porque tinha poço, que fazia as vezes de frigorífico, objecto ainda então desconhecido. O Trindade fornecia o melhor vinho, embora bocas aventassem que ele fazia vinho de carne, não introduzindo no pote o cabrito, mas gatos.

A certa altura começaram a desaparecer os felinos da cidade. Foi apanhada a Joaquina Maluca, que os vendia por coelhos.”…

Delmira Maçãs
(in Pela Europa de Celtas e Romanos 1993)


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Arronches – Importante descoberta Arqueológica



Uma raríssima inscrição em língua Lusitana foi recentemente encontrada nos arredores de Arronches.
Trata-se de um dos tês ou quatro documentos escritos em língua lusitana encontrados até ao momento, embora de difícil leitura, é possível perceber que se trata do registo que alguém, provavelmente um proprietário de gados, que oferece em sacrifício a várias divindades indígenas, entre elas Banda, Reva, Munis e Broeneia, animais como ovelhas e porcos, solicitando a essas mesmas divindades que lhe aceitem o sacrifício.

Um documento da maior importância para o estudo dos inícios da romanização e, em particular, para a história da vila de Arronches, demonstrando-se que a tradição da criação do porco nesta região remonta, pelo menos, ao tempo dos Lusitanos e que a palavra Arronches tem origem, exactamente, na criação de porcos.
Este achado arqueológico arronchense será temporariamente exposto em Lisboa, no Museu Nacional de Arqueologia, durante o X Colóquio sobre Línguas e Culturas Paleo-Hispânicas.

Para saber mais:
Aconselha-se a leitura do artigo do Dr. Jorge de Oliveira, na edição Nº 0115 do Jornal “alto alentejo”, de 11/02/2009
Este jornal poderá ser adquirido em qualquer papelaria ou quiosque da região.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Arronches – Depois da Ambulância Veículo Florestal vem a caminho dos Bombeiros





Segundo
o jornal
"Bombeiros Portugueses", periódico mensal da Liga dos Bombeiros Portugueses, cinco novas viaturas de combate a incêndios vão chegar durante este ano a outras tantas corporações do distrito de Portalegre.
Elvas, Arronches e Sousel irão receber, cada uma, um Veículo Florestal de Combate a Incêndios; para Monforte está previsto um Veículo de Socorro e Assistência Táctica; e a corporação de Ponte de Sôr terá direito a um Veículo Urbano de Combate a Incêndios.
No total serão distribuídas por Portugal l95 viaturas de combate a incêndios e de socorro, totalmente comparticipadas pelo Estado.
BVA com Nova Ambulância

Ainda recentemente o Município de Arronches procedeu, à entrega de uma ambulância de transporte de doentes aos Bombeiros Voluntários de Arronches, a qual se encontra equipada de acordo com o estipulado na legislação, incluindo plataforma elevatória para cadeira de rodas, que irá contribuir para a melhoria dos serviços prestados pelos BVA aos utentes do concelho de Arronches.

Fontes:
http://jornaldenisa.blogspot.com/2009/02/bombeiros-cinco-viaturas-para-o.html

Jornal Notícias de Arronches – Edição de Janeiro de 2009


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

ARRONCHES NO CANAL EXTREMADURA TV


O Canal Extremadura TV, da cadeia de Televisão Autonómica da Extremadura, Espanhola, esteve esta quarta feira, dia 11 de Fevereiro de 2009, em reportagem no concelho de Arronches.
Um pouco por todo o concelho a equipa de reportagem desta estação de televisão, recolheu imagens e testemunhos para o programa “La Tarde de Extremadura” a emitir pelas 16.00 horas da próxima Sexta feira dia 13.
No decorrer do programa o jornalista Luís Rocha vai passear pelas nossas Ruas e Praças, visitando os monumentos, falando com alguns habitantes entre os quais uma senhora espanhola que entre nós encontrou refugio durante a guerra civil, um poeta popular e um singular músico arronchense vão mostrar a sua arte aos espectadores do programa “La Tarde de Extremadura”.
A equipa de reportagem do Canal Extremadura TV, contou com o apoio do Município de Arronches no decorrer deste trabalho que visa a promoção turística deste concelho raiano junto dos extremeños.

La Tarde de Extremadura es un magacín diario con más de 300 programas que desde todos los puntos de la región acerca de lunes a viernes la actualidad diaria y la riqueza cultural de la región.
Tradiciones, costumbres, gastronomía y cultura popular entretejen las tardes de Canal Extremadura en un formato fresco, directo y dinámico, recientemente reconocido con el premio Dionisio Acedo de la Diputación de Cáceres por su aportación a la promoción de Extremadura.
La tarde de extremadura Actualidad Te contamos la actualidad que te interesa. Sara Solomando y David Jiménez conducen este magacín con reportajes, entrevistas, tertulias de actualidad... Con la frescura que da el directo y un amplio equipo de reporteros desde todos los rincones de Extremadura y Alentejo.



Un extenso equipo de reporteros, integrado por Libia Jiménez, Juan Bazaga, Ruth López, Sandra Gonzalo, Omar Morán, Luis Rocha, Koldo Arrastia, Lola Trigoso y Álvaro Barrena recoge en cualquier lugar de la región las opiniones de los protagonistas de la noticia.
En el plató también hay tiempo para el análisis, una mesa de actualidad integrada por profesionales de diferentes ámbitos permite debatir cada día las noticias de la jornada. Además, Alicia Rodríguez coordina y modera una tertulia de tono distendido y amable; mientras que Felipe Quiñones, desde la redacción, ofrece los detalles de las noticias más recientes.

Mas en:
http://latarde.canalextremadura.es/







terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

“Uma poda mal feita pode condenar a árvore”



Um pouco por todo o país as árvores dos espaços urbanos continuam a ser vítimas de acções bárbaras que arrepiam e indignam os corações mais sensíveis. Este problema poderia ser minorado se os responsáveis por esses espaços facultassem acções de formação aos técnicos que trabalham nesse sector de forma a frequentarem cursos de podas de árvores. Essas mesmas árvores passariam a ser podadas com mais gosto, ficando com parte dos seus ramos ou galhos, prontos a “trabalhar” mais um ano em nosso benefício, purificando-nos o ar e dando-nos a apetecida e refrescante sombra quando o sol escalda.Podar as árvores dos espaços urbanos não exige grande ciência, qualquer agricultor brioso o sabe fazer, mas, alguns dos que tratam das árvores em espaços públicos vão mais pelo facilitismo e pela insensibilidade. Quando se poda uma árvore temos de sentir que estamos a tratar de outro ser vivo indispensável à nossa sobrevivência e de uma generosidade sem limites. Por isso, Miguel Torga imaginava a poda das videiras do Douro, “como uma mãe que faz a trança à filha”.Alguns serviços camarários dizem que certas árvores têm de ser brutalmente decepadas porque as ruas em que estão plantadas são demasiado pequenas para o seu porte e alguns munícipes não gostam de árvores perto das suas habitações, muitas vezes a pretexto da possível sujidade ocasionada pelas folhas da árvore ou pelo simples facto de alguém que mora na zona e quer ter uma vista desafogada. Pois bem, antes de se plantar uma árvore deve-se avaliar o espaço que lhe queremos destinar e assim evitar no futuro ter que mutilar ou abater árvores saudáveis.

Em Arronches embora este drama seja menos frequente, por vezes surge uma ou outra situação como a da foto que ilustra este post, registada na Bairro de Santo António.
Para além de pouco estéticos os troncos destas jovens árvores, poderão ainda provocar algum acidente a quem circule pelo passeio em noites de menor visibilidade…

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Arronches "Peso Certo" esgotou entradas em 30 minutos.



O espectáculo Peso Certo, vai decorrer dia 21 de Fevereiro pelas 21.30 Horas no Auditório do Centro Cultural de Arronches. As entradas para este espectáculo foram disponibilizadas hoje dia 09/02/2009, tendo as mesmas ficado esgotadas em apenas 30 minutos.

É caso para dizer que o Gordo mais bem disposto desde país algo cinzentão conquistou o público arronchenses antes mesmo de subir ao palco…

Os sortudos que conseguiram ingresso para o espectáculo vão poder assistir a uma revista à portuguesa de humor, em que situações pontuais do dia-a-dia vão ser retratadas com o humor e a boa disposição do apresentador de televisão Fernando Mendes, com a participação especial de Sónia Brazão e António Vaz Mendes.
Um espectáculo de animação inesquecível, com cenas rotineiras e os improvisos de Fernando Mendes, intercalados com espaços de música, a cargo de Luís Portugal e um corpo de baile, que durante 1h30, irão proporcionar momentos memoráveis.

"PESO CERTO" é o peso do talento de um grande actor, Fernando Mendes, que como ninguém retrata no palco o que lhe vai na alma: a paixão pelo teatro.
****************************************************************************

Nota: 2ª Sessão do "Peso Certo", em Arronches

Dado que a 1ª Sessão agendada par 21 de fevereiro se encontrava esgotada decidiu a Câmara Municipal de Arronches levar a efeito uma 2ª Sessão dia 22 de Fevereiro (Domingo), pelas 16.00h.

A reserva de bilhetes poderá ser efectuada na Biblioteca Municipal ou ainda pelo telf. 245 589 017 até às 17.00h do dia 20/02/2008 - A reserva é válida até 30 min. antes do início do espectáculo.


Fonte: Foto (Fernando Mendes - Eventos).

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Arronches - Filme sobre Amália Rodrigues emocionou espectadores

A sala de cinema do Centro Cultural de Arronches foi pequena para acolher os muitos espectadores que no passado dia 07/02/2008 decidiram ir ver o filme, obrigando mesmo a organização a agendar uma segunda sessão na tarde de Domingo.
Amália – O Filme que em Arronches emocionou muitos espectadores’ foi visto por mais de 140 mil pessoas desde a estreia.
A longa-metragem de Carlos Coelho da Silva, com desempenho Sandra Belo, já foi vendida a 23 países.

Sinopse

"Amália" é uma história de amores e de glória, uma história dramática e de exaltação. Começa em Nova Iorque, 1984: Amália vai matar-se. A obsessão pela morte vem da adolescência, ela está doente, pensa que é agora. Abre as portas da varanda da sua suite, sobe um degrau do parapeito e olha para o abismo. E é nesse momento, debruçada sobre o abismo, que Amália revê uma vida de génio artístico, de sucesso planetário, mas também de frieza familiar, de desilusões amorosas, em que avulta uma paixão impossível, a relação controversa com a extrema melancolia do fado, que não ama por se aproximar demasiado das sombras da sua vida mas que faz vibrar como ninguém, dando ao filme os seus momentos mais espectaculares. De 1954 a 1984, são trinta anos em busca de um equilíbrio que escapa, de um amor que lhe foge, ao contrário do sucesso artístico, que a vai projectando como uma vedeta mundial. É esse o núcleo de "Amália", um filme onde se revelarão algumas das histórias secretas da fadista, ao mesmo tempo que se reconstituem os mais memoráveis momentos da sua carreira artística. Viver não lhe chegava. Cantando, chegou a todos.
Amália da Piedade Rebordão Rodrigues (Lisboa, 23 de Julho ou 1 de Julho de 1920 — Lisboa, 6 de Outubro de 1999) foi uma fadista, cantora e actriz portuguesa, considerada o exemplo máximo do fado. Está sepultada no Panteão Nacional, entre os portugueses ilustres.

É com satisfação que verificamos o interesse dos arronchenses pela programação cultural programada para este trimestre.

Deixamos uma sugestão para a próxima Agenda que tal o filme: Quem quer ser Bilionário, com realização de Danny Boyle.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Alentejanos y Extremeños, juntos hacia la «eurorregión»

Extremeños y alentejanos preparan juntos un proyecto ambicioso e interesante, convertirse en una «Eurorregión». Un total de nueve localidades transfronterizas pretenden adquirir dicha personalidad jurídica para llegar más fácil a los fondos europeos. Elvas y Badajoz pueden además reforzar esta unión creando la llamada Eurociudad.
Los ayuntamientos extremeños de Badajoz, Olivenza, La Codosera y Alburquerque, y los alentejanos de Arronches, Campo Maior, Estremoz, Elvas y Portalegre , presentaron ante la Unión Europea un proyecto institucional para convertirse en Eurorregión.
Sin embargo, el alcalde de Badajoz, ha asegurado hoy 05 Feb a Europa Press que aunque las noticias de la Unión Europea sobre la aprobación de la Eurorregión "no son muy positivas" eso no impedirá que "sigan trabajando por las necesidades que tenemos, afirmó que una negativa europea no los paralizará porque "eso no quita para que sigamos trabajando, porque al final la eurorregión son sólo directrices y dinero, pero interés y necesidades las tenemos nosotros" y van a intentar cubrirlas, "ya sea con el amparo de la UE, o de los gobierno centrales o regionales.
En su opinión las ciudades podrán "seguir avanzando en ese término" porque "la ilusión es grande y la necesidad también", aunque reconoció que "como todo necesita tiempo y paso firme".
"La ilusión es despegar" y el futuro de la cooperación de segunda generación "es halagüeño" y hay "muchas esperanzas en poder conseguir los grandes beneficios a lo largo de la frontera para los dos países".
Fonte Europa Press/Foto El Periodico Extremadura

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Valnor reforça recolha selectiva no Norte Alentejano





Embora em Esperança tarde a encaminhar as pilhas para reciclagem

Com o objectivo de promover a separação e a correcta deposição dos resíduos passíveis de reciclagem, a Valnor está a reforçar o número de ecopontos disponíveis na região do Norte Alentejano. Até ao momento foram distribuídos mil novos ecopontos, mas a empresa do Grupo Águas de Portugal quer chegar aos 1800 até ao ano de 2010, atingindo a taxa de um ecoponto para cada 100 habitantes.
Até aqui tudo bem só não se compreende uma situação que se verifica com certa regularidade em muitos dos ecopontos já existentes, onde os resíduos ali depositados pela população permanecem semanas sem serem recolhidos, com os contentores a transbordar e o recurso á utilização de sacos de plástico ou simplesmente a deixar os resíduos recicláveis junto dos ecopontos.
Como exemplo veja-se o caso da freguesia de Esperança – Arronches onde os pilhómetros já não comportam mais pilhas e como recurso a população utiliza saco de plástico, existindo o perigo das mesmas ficarem dispersas pela via publica ou ainda poderem servir de brincadeira a crianças.
As fotos aqui reproduzidas foram endereçadas a este blog por um leitor da freguesia de Esperança, que nos informou ter ainda contactado a Valnor por diversas vezes, informando da falta de capacidade dos pilhómetros da freguesia da Esperança para receberem mais pilhas, permanecendo os mesmos nesta situação à meses.

Arronches - Estudo de viabilidade para instalação de sistemas de produção de água quente solar…



A Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo (AreanaTejo) concluiu recentemente vários estudos de viabilidade para a instalação de sistemas de produção de água quente solar em oito equipamentos desportivos dos municípios de Arronches, Constância, Elvas, Marvão e Sousel. Os projectos envolvem um investimento de cerca de 440 mil euros, que permitirá uma redução média de 57 por cento das necessidades energéticas dos equipamentos analisados.

Prevê-se ainda uma redução anual de mais de 65 toneladas de gás propano, equivalente a uma redução da emissão de 320 toneladas de CO2. Segundo nota da agência, o período de retorno médio dos investimentos ronda os 7,4 anos.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Arronches Contra a Crise...

Em tempos de crise para a economia mundial é com satisfação que registamos a instalação de mais uma empresa na Nova Zona Industrial de Arronches.
Neste caso a empresa de Materiais de Construção - Narciso Gonçalves.
A iniciativa privada embora com a criação de pequenas empresas é de extrema importância na dinamização das actividades económicas de pequenos concelhos do interior do país, sendo fundamental para a criação de novos empregos e evitar a desertificação humana que atinge muitas localidades.

Foto efectuada na tarde fria do dia 02-02-2009 - Zona Industrial de Arronches.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Ermida do Rei Santo com importantes obras de recuperação



A Ermida do Rei Santo situa-se no cume da serra do Monte Novo, perto do lugar da Nave Fria, de pequeno porte serve unicamente para o culto, no dia da romaria do mesmo nome, que ali se realiza quinze dias após a Páscoa. Encontra-se virada a Sul. Tem uma só nave e um pequeno átrio de acesso, está completamente caiada de branco apresentando um simples altar de que sobressai o tecto de forma de abóbada.
Outrora bastante concorrida pelas gentes da raia luso/espanhola tem nos últimos anos vindo a perder visitantes devido á decadência da agricultura e aos excessos ali praticados por meia dúzia de dependes do álcool.
Por se encontrar bastante arruinado foi este monumento recentemente alvo de importantes obras de recuperação, numa parceria que envolveu a Câmara Municipal de Arronches, Junta de Freguesia de Esperança e Fábrica da Igreja Paroquial.
De fonte segura soube o Arronches em Notícias que decorrem negociações ente a Junta de Freguesia de Esperança e o proprietário do terreno envolvente, tendo em vista o alargamento do adro da ermida que em dias de romaria se torna pequeno para acolher os romeiros do Rei Santo.
O adro da Ermida do Rei Santo é dos melhores miradouros do concelho de Arronches, avistando-se dali paisagens deslumbrantes em terras de Espanha e Portugal


O estranho desaparecimento do áudio do posts “O Caso Freeport” da TSF



Desde o dia da sua publicação em 2009-01-29 que o posts “O Caso Freeport”, está sem som na Rádio TSF.


A rubrica de humor a Dona Rosete que é porteira há mais de 40 anos. Como boa observadora que é, um dia lembrou-se de ser comentadora. A TSF deu-lhe o microfone e agora é ouvi-la falar de tudo e todos… E nada escapa ao exame da Dona Rosete!
Com Maria Rueff. A sonorização é de Luís Borges. Textos: Produções Fictícias. Fotografia: Ricardo Quaresma Vieira.
Não Estou a Incomodar? - o blogue da Dona Rosete.

Retiraram o áudio do posts mas deixaram o texto.

O Caso Freeport

Um, dois, três, recoplay, está a gravar! Eu hoje vim aqui dizer que não acho nada legal esta polémica toda que p’raí anda por causa do Autileti de Alcochete. E não acho legal, por uma razão muito simples: onde mais é que uma pessoa pode comprar roupa de marca àquele preço tão em conta? Em lado nenhum, pois não. E digo mais, se não fosse o Autileti, como é que eu podia ter um conjunto saia-casaco da Ver-Sarja, como o que usei quando fui mais o meu Gouveia almoçar aos Frangos da Guia para celebrar o aniversário de casamento? Humm? E que o senhor José Sócrates tenha ajudado a que construíssem o Autileti, qual é o mal? Todos sabem que ele é uma pessoa que gosta de andar sempre todo bem arranjado, e que até foi considerado um dos homens mais elegantes do Mundo. Se ajudou, fez ele muito bem. Mais: a nível político, isto só mostra que ele é uma pessoa com muita visão de futuro, pois já devia imaginar que Alcochete ia ter um aeroporto, e já se sabe como são os aeroportos… Aquilo é esperas tão grandes que uma pessoa, se tiver um Autileti ao pé, sempre vai fazer umas comprinhas, o que é legal para a Economia do País… Olhem, mais legal para a Economia do País que o senhor Manuel Pinho, por exemplo.
Pronto, tudo bem que aquela zona de Alcochete, ao que parece, é uma zona protegida, ou como eles chamam, uma “Zona de Protecção Especial”, e que o Autileti podia fazer muito mal e tudo e tudo e tudo. E eu pergunto: o que é que é pior em Alcochete, o Autileti ou o Paulo Bento? Tudo bem que o Autileti pode prejudicar as espécies animais, mas e o Paulo Bento, que dá cabo de algumas espécies humanas? As que vêm de Leste, por exemplo.
Adiante, outra coisa que me tem metido muita espécie é isto do tio do senhor Sócrates. Que mal tem ele ter dito ao senhor Charlis Smiti que o seu sobrinho era Ministro do Ambiente e que podia ajudar? É que naquela altura não era vergonha nenhuma dizer que se era da família do senhor Sócrates. Se fosse hoje, pronto, era diferente. Mas isto foi antes de ele ser Primeiro-Ministro… Ainda não havia muitas razões para ter vergonha.
Bom, e como se não bastasse, o Ministro Mário Lino ainda veio dizer que todas estas acusações têm fins políticos para atingir o senhor Sócrates em ano de eleições. Ora, se tem ou não, não sei. O que eu sei é que se é verdade, não valia a pena darem-se a tanto trabalho para danificar a imagem do senhor Primeiro-Ministro. É que parece que não bastaram estes últimos anos, quer dizer…

Aqui fica o link para a rubrica o O Exame da Dona Rosete

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A vida rural “desce” à cidade de Évora

No âmbito do mês do Porco
e da Rota de Sabores Tradicionais



Alguns dos mais típicos quadros da vida rural alentejana, nomeadamente os ambientes tradicionais de uma matança do porco vão ser representados este sábado - dia 7 de Fevereiro de 2009, na Praça do Giraldo, numa iniciativa da Câmara Municipal de Évora.

Esta “peça” da vida no campo alentejano surge no âmbito da promoção da Rota de Sabores Tradicionais e que este mês é inteiramente dedicada aos pratos confeccionados a partir do porco. Para a autarquia, a representação destes ambientes surge como factor de promoção da gastronomia tradicional alentejana e como um recurso identitário da cidade e da região.

Destinado a todos aqueles que colocarem a praça de Giraldo no seu roteiro para este sábado, entre as 11h00 e as 16h00, esta iniciativa acaba por ter uma forte componente pedagógica, constituindo-se como uma autêntica “aula prática”, com uma “visita de estudo” a um Alentejo não muito distante, mas o suficientemente esquecido para não ser já uma referência de passado na memória colectiva da grande maioria dos habitantes.

Durante as cinco horas em que a vida rural “desce” à cidade, a Praça de Giraldo, a principal sala de visitas da cidade, irá ter à disposição de todos: uma mesa de degustação dos paladares da carne de porco, pão, azeitonas e queijos; banca de matança do porco com os utensílios tradicionais; mostra de artesanato (cortiça e olaria); recriação da tradicional Cocaria (conjunto de panelas de barro em lume de chão); mostra e degustação de azeite e vinho da talha (Adega da Ervideira).

Como complemento, a “banda sonora” deste quadro será interpretada pelos Almocreves (Amieira) e pelo Grupo Cantares de Évora, que trarão um repertório composto, naturalmente, pelo cante tradicional alentejano. Paralelamente, e como complemento das arcadas irão surgir figuras populares em trajes de trabalho e domingueiro e das artérias adjacentes dois “carros de canudo” e adereços etnográficos ligado ao mundo rural.

O dia do Porco é organizado pela Câmara Municipal de Évora, com o apoio do Turismo do Alentejo, ERT; Confraria da Moenga; Confraria dos Enófilos do Alentejo; Mercadus, Grupo Cantares de Évora; CEPAAL, Casa dos Almocreves; e família Lourenço (Vila Boím).

Nota: Para prova da sopa dos ganhões e do vinho da talha é necessário adquirir (a preço simbólico) no Posto de Turismo de Évora, um pucarinho e uma tigela da Rota de Sabores Tradicionais.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Vinho Syrah de Arronches bem classificado pela "Blue Wine"



Vinho Syrah de Arronches bem classificado pela "Blue Wine"

Adega de Valle de Junco

A propriedade com 22 ha, situada em plena Serra de S. Mamede, na freguesia de Esperança concelho de Arronches oferece à vinha condições de excepção para a feitura de vinhos com características muito especiais.

Situada a uma altitude entre os 345 e 390 metros, com uma amplitude térmica acentuada, o Valle de Junco
O vinho de produção própria da Sociedade Agrícola João Teodósio Matos Barbosa & Filhos obteve a classificação de 16,5 valores na revista de Dezembro de 2008.

Sobre o vinho Lapa dos Gaivões Syrah Reserva 2005, a publicação especializada refere que se trata de um "granada intenso, aroma cheio, rico, fruta confitada e especiarias doces". Pode ler-se ainda que se trata de um vinho "muito fresco e seco na boca, com garra e corpo".

Não podemos deixar de nos congratular com o sucesso dos jovens empresários da Adega de Valle de Junco, embora aquando da preparação do terreno para a implementação da vinha, com trabalhos de terraplanagens, talvez por mero desconhecimento dos proprietários, se tenha feito perigar alguns abrigos com Pinturas Rupestres e locais de nidificação de espécies protegidas, assim como feito desaparecer a lendária Pedra dos Bezerros de Ouro, vestígios estes que hoje certamente acabariam por ser uma mais valia para a jovem Adega do Vale do Junco.
A ter havido culpados, foi certamente a fiscalização que não fiscalizou na devida altura de forma a ter sensibilizado os empresários para a importância desses vestígios, que poderiam ter sido conciliados com a exploração agrícola e os valores defendidos pelo Parque Natural da Serra de S. Mamede onde se insere.
Podemos ter perdido em cultura mas ganhamos em bom vinho.
Só não compreendo o porquê do rótulo escolhido para o vinho Lapa dos Gaivões apresentar uma andorinha pousada na palavra “Gaivões”, isto quanto gaivões mais não são que essas nobres aves denominadas de Gaviões.

Mais informação em: