quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Extremadura vende em Madrid na Fitur 2019 'Astroturismo e Natureza'


A vizinha Comunidade da Extremadura está presente na XXXIX Feria Internacional del Turismo (Fitur) de Madrid, que abriu portas esta quarta feira dia 23de janeiro, com o lema 'Un cielo único, una tierra diferente’ Um céu único e uma terra diferente', tendo por ojetivo principal renovar o interesse dos turistas espanhóis e estrangeiros num setor económico que é «estratégico» e «muito competitivo».

No decorrer da “Feria Internacional de Turismo”, que decorre na “Institución Ferial de Madrid (Ifema)”, de 23 a 27, a região vai celebrar mais de 60 atividades.

O pavilhão da Extremadura tem mais de 800 metros quadrados para mostrar el património histórico, la gastronomia, natureza e em geral a cultura de la Comunidade Autónoma, com «imagens espetaculares e zonas abertas».

O “astroturismo” é uma das apostas fortes da Extremadura na Fitur 2019, com a divulgação dos atrativos de zonas de Cáceres como: Monfragüe, Parque do Taje Internacional, la Sierra de Gata, as Hurdes, e Valle del Ambroz,  Valle del Jerte, La Vera e  o Geoparque Mundial Unesco Villuercas-Ibores-Jara.

A província de Badajoz, está representada pelas potencialidades turísticas da zona do lago de Alqueva, com La Serena, Olivença, Campiña Sur, Sierra Suroeste e Tentudía.

Extremadura 'Fitur Gay' é outra das apostas com a difusão deste segmento turístico, dispondo o pavilhão extremeño de um espaço destinado à Fundación Triángulo Regional, no qual dispõem de informação sobre destinos turísticos na Extremadura e difundem material informativo como a Guia 'Extremadura LGTBI'.
Fotos/ Emílio Moitas





terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Para refletir - Uma criança de dois anos presa num poço e outra de quatro anos morta em montaria


Nos últimos dias a comunidade andaluza em Espanha, foi sacudida por dois trágicos acidentes motivados em parte por imprudência humana, o primeiro envolvendo uma criança de 2 anos de idade, Julen Rosello, que supostamente caiu a um poço com mais de 100 metros de profundidade e reduzidas dimensões, apenas com 25 centímetros de diâmetro, em Totalán (Málaga), quando brincava junto de uma casa agrícola onde residia com os pais.

As operações para resgatar a criança decorrem desde há nove dias e envolvem centenas de especialistas em resgates de mineiros.

O segundo acidente vitimou uma criança de 4 anos, no passado sábado dia 19 de janeiro, durante uma montaria aos javalis  no “Coto La Lapa” ,em Guillena, na zona de Burguillos, Sevilha, quando a criança foi atingida por um disparo efetuado por um arquiteto de nacionalidade argentina, com cerca de 60 anos, residente no Puerto de Santa María (Cádiz), ao confundir  com um javali, a criança que participava na montaria acompanhada por um familiar.

Duas situações trágicas que causaram danos irreparáveis que poderiam ser evitadas caso tivesse prevalecido o bom senso, com a cobertura do poço ou a proibição de permanência de crianças em caçadas.  

Dramas que têm sido acompanhados pela comunicação social portuguesa, e em particular pelo repórter Duarte Bivar, jornalista na TVI24, com fortes ligações a Arronches. 
Com/E. Moitas / Global News



domingo, 20 de janeiro de 2019

Campo Maior- Força Aérea Portuguesa distingue Comendador Rui Nabeiro com a Medalha de Mérito Aeronáutico


Numa cerimónia que decorreu no salão Nobre da Câmara Municipal de Campo Maior, ao final da tarde do passado sábado dia 19 de janeiro, o Comendador Rui Nabeiro foi galardoado com a Medalha de Mérito Aeronáutico 1ª Classe, atribuída pela Força Aérea Portuguesa.

A medalha foi entregue pelo chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Manuel Teixeira Rolo, numa cerimónia que contou com a presença de familiares e amigos do Comendador Rui Nabeiro, destacando o General  o exemplo de vida do Comendador, quer a nível familiar ou profissional, e ainda a sua ajuda e colaboração aos eventos promovidos pela Força Aérea Portuguesa, motivos que levaram à atribuição desta condecoração.

A Medalha de Mérito Aeronáutico é uma medalha militar portuguesa, criada a 11 de Outubro de 1985, que se destina a galardoar os militares e civis, nacionais ou estrangeiros, que, no âmbito técnico-profissional, revelem elevada competência, extraordinário desempenho e relevantes qualidades pessoais, contribuindo significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão da Força Aérea Portuguesa.
Foto/Joaquim Candeias 

sábado, 19 de janeiro de 2019

Pilotos arronchenses participam na II Edição Resistência 6 Horas TT Vila de Fronteira

O Circuito Cego MX - Vila de Fronteira vai acolher mais um evento oficial, a ter lugar este domingo, dia 20 de janeiro 2019, com uma Prova TT.

Esta prova de Resistência TT, tem  6 horas de duração é destinada a motos, sendo realizada em  em circuito fechado com uma distância de aproximadamente 10.5km, em Fronteira

O concelho de Arronches vai estar representado nesta prova pelos pilotos, Raul Carvalho (Mosteiros) e João Salsa (Nave Fria), ambos com uma Ktm 350 Sxf.

Uma excelente oportunidade para os amantes das motos assistirem em família a uma prova de  de resistência que se antevê com muita animação e adrenalina.



Cultura - Laje votiva em língua latina encontrada em Arronches em vias de ser classificada

A laje votiva em língua latina, um dos mais notáveis achados arqueológicos descobertos nos últimos anos no concelho de Arronches, encontra-se em vias de classificação com a abertura do procedimento e posterior publicação em Diário da República.

Tendo para o efeito a Direção-Geral do Património Cultural, notificando a Câmara Municipal Arronches, para a abertura do procedimento de classificação da laje votiva em língua latina, proveniente do Monte do Coelho, estando o Município de acordo com a abertura do referido procedimento, mas mostrando-se contra a saída da laje do concelho de Arronches.
  
De referir que esta laje votiva em língua latina, integrou a exposição “Lusitânia Romana: Origem de Dois Povos”, que esteve patente no Museu Nacional de Arte Romana, em Mérida, em 2015.

Para esta exposição que depois percorreu outros grandes Museus, “foram reunidas peças de 18 instituições, 13 de Portugal e cinco de Espanha, com destaque para esta raríssima inscrição em língua Lusitana encontrada no Monte do Coelho, nos arredores de Arronches.

Trata-se de um dos três ou quatro documentos escritos em língua lusitana encontrados até ao momento.

Uma peça que tem passado desapercebida ou simplesmente ignorada da maioria dos arronchenses, ou como dizia a minha avó “Dá Deus nozes a quem não tem dentes”.

Saiba mais sobre a passagem desta peça pelo Museu Nacional de Arte Romano de Mérida, onde integrou a exposição “Lusitânia Romana: Origem de Dois Povos”.
Fotos/: E. Moitas




sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Detidos na estrada de Campo Maior com duas toneladas de azeitonas roubadas


A Policía Local de Badajoz, deteve nas últimas horas, na estrada de Campo Maior, três homens de nacionalidade portuguesa, entre os 33 e 50 anos de idade, quando circulavam na referida via com três viaturas, um Volswagen Passat, um Ford Transit  e um Audi-A-4, onde  eram transportadas mais de duas toneladas de azeitona  supostamente roubada, numa propriedade da povoação da La Alcazaba.

Nos três veículos foi apreendida a quantidade total de 2.100 quilos de azeitonas de origem duvidosa ao não se fazer acompanhar por qualquer documentação que acredita-se a sua procedência.

Duas das viaturas fiscalizadas não possuíam documentação legal, sendo apreendidos e transportados pelas autoridades para o depósito de veículos de Badajoz.

A Policía Local e a Guardia Civil, prosseguem a investigação, os cidadãos portugueses agora identificados a aguardarem em liberdade o desenrolar do processo.
Fotos/ Emílio Moitas e Policía Local



quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Alentejo - Município assinala 121º aniversário da Restauração do Concelho de Marvão


O Município assinala, dia 24 de janeiro (quinta-feira), o 121º aniversário da Restauração do Concelho de Marvão. A partir das 18h00, na Câmara-Velha - Casa da Cultura, pode assistir-se a um apontamento histórico sobre a Restauração do Concelho, a cargo da Professora Dra. Teresa Nunes (Doutorada em História, na especialidade de História Contemporânea, pela Universidade de Lisboa).

Depois disso, o Marvão Jazz Duo (Tom Lehrecke - guitarra/voz e José Conde - baixo elétrico) sobe ao palco para um concerto que promete transportar o público presente para os grandes clássicos do jazz, num ambiente relaxado, sendo servido no final do concerto, um Marvão d’Honra.

A partir das 20h00 pode ainda assistir-se, na entrada do Castelo, a um apontamento pirotécnico, com que se vai encerrar a comemoração do 121º aniversário da Restauração do Concelho de Marvão.

A 24 de janeiro de 1898, Marvão recuperou a sua independência administrativa e política. Aqui fica uma pequena resenha histórica sobre a Restauração do nosso Concelho:

“A revolução liberal de 1820 trouxe consigo alterações profundas ao nível da organização administrativa do território. Desde esse período e até aos nossos dias subsiste a divisão territorial: Os distritos que se desdobram em concelhos e estes em freguesias. No entanto, ao longo de todo o séc. XIX e principalmente no interior do país, sentia-se a falta de pessoal habilitado para o exercício dos cargos políticos, bem como carência de recursos para responder às necessidades das populações”.

“Para os municípios de 3ª ordem (como Marvão) era muito complicado captar recursos financeiros necessários à administração corrente e, pelo alto índice de analfabetismo da população, era também muito difícil recrutar indivíduos aptos para participarem nas vereações”.

“Foi então, sem grande surpresa, que a 26 de setembro de 1895 foram suprimidos diversos concelhos por todo o País, no âmbito de uma reorganização política e administrativa do território português. Neste contexto, o concelho de Marvão ficou anexado ao de Castelo de Vide. Com esta reforma pretendia-se a racionalização dos recursos financeiros e humanos. No entanto, com esta alteração, foram extintos municípios com raízes seculares. Marvão era um destes casos”.

“Na documentação da altura, não consta que a população de Marvão se tenha revoltado com a situação, até porque os tempos eram de constante mudança”.

“Em fevereiro de 1897 o governo caiu, enfraquecido pela ação da oposição e pela sua própria inoperância. Em 13 de janeiro de 1898, depois de novas eleições para o governo e várias reclamações um pouco por todo o País, o concelho de Marvão foi reintegrado e, portanto, desanexado do concelho vizinho”.
Fotos/ Emílio Moitas