sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Badajoz - “Cidade das compras" fecha no sábado e abre no domingo


No dia Santos, por ser feriado em Espanha todos os espaços comerciais de Badajoz, incluindo as grandes superfícies e o comércio tradicional, vão estar fechados no sábado.

Já no domingo, dia 2 de Novembro, como Badajoz é uma cidade de compras, todo o comercio vai estar aberto, com o Ayuntamiento local a promover a iniciativa "Badajoz, cidade das compras", onde é feito um convite a todas as pessoas, incluídos os muitos portugueses que diariamente visitam a cidade a fazerem as suas compras aqui, havendo "uma diversificada oferta comercial e múltiplas actividades para o lazer".

Programa de actividades para domingo dia 2 de novembro.

Alentejo - 28ª Baja Portalegre arranca hoje com mais de 300 pilotos inscritos


  
A Baja Portalegre 500 que arrancou hoje, conta com a participação de mais de 300 pilotos, a maior parte nas disciplinas Moto com 107 concorrentes, seguindo-se os automóveis com 88 equipas inscritas.

Esta famosa prova do todo-o-terreno em Portugal contabiliza ainda 71 inscritos na classe Quads e 38 na UTV/Buggy, além de 34 jovens na Mini Baja.

A Baja Portalegre conta ainda forte presença estrangeira com 17 nacionalidades representadas, a maioria de países europeus, nomeadamente, Espanha, França, Alemanha, Holanda, Itália, Inglaterra, Noruega, Polónia, Eslováquia, República Checa, Ucrânia e Rússia ou ainda Angola e Moçambique, Cazaquistão, Qatar ou do Brasil.

De referir que em 2014, a Baja Portalegre 500 tem lugar de 30 de outubro a 01 de novembro.

O parque fechado situa-se no local habitual, junto à NERPOR, à saída da cidade de Portalegre em direcção a Arronches e Espanha.

O prólogo terá lugar também no local habitual, sendo o acesso feito pelo IP2, à direita no sentido Portalegre – Estremoz. A única alteração de relevo, é a partida para SS2, no Sábado dia 01 de Novembro, será feita este ano na vila do Crato.




quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

Dois portugueses roubavam combustível a camionistas e foram detidos em Badajoz


Dois homens de nacionalidade portuguesa, foram detidos em Badajoz, e acusados de roubar combustível de camiões que estavam estacionados na passada noite de 29 de outubro, numa zona da cidade onde camionistas costumam fazer descanso.

Segundo as autoridades um cidadão alertou a Policia Nacional para a presença de dois homens que roubavam gasóleo dos depósitos dos camiões, informando ainda da sua descrição física e veículo em que se faziam transportar, o que levou os agentes a localizarem o veículo e o único ocupante que ainda teu fugir a pé, mas acabaria detido.  

No veículo os agentes encontraram recipientes em plástico para o gasóleo e diversas ferramentas utilizadas no roubo de combustível. Pouco depois a polícia acabaria também por localizar e deter o outro suposto autor deste roubo.

Os detidos, são dois homens de 40 e 45 anos, ambos de nacionalidade portuguesa, foram transportados às dependências policiais de Badajoz, e sujeitos a interrogatório e aplicação de meditas de coacção.

De referir que nos últimos tempos as tentativas de roubo de combustível dos depósitos de camiões estacionados durante a noite em Badajoz vêm acontecendo com regularidade, fica o alerta passar a noite em locais isolados ou mal iluminados facilita a acção dos ladrões.  

Portalegre - Jovem escravizado e usado como motorista da família


Uma família de Portalegre foi detida por suspeita de ter submetido um jovem de 23 anos a trabalho escravo, como motorista, sem ser pago e ainda submetido a agressões físicas.

A investigação dos inspetores da Unidade Nacional Contra Terrorismo da PJ levou à detenção de três homens e uma mulher, da mesma família residentes em Portalegre, suspeitos dos crimes de tráfico de pessoas, escravidão e ofensas à integridade física. Os detidos, com 20, 22, 42 e 43 anos, aliciaram um jovem de 23 anos a trabalhar como motorista nas deslocações da família.

No primeiro acordo, foi-lhe dito que receberia um ordenado. Mas o jovem acabou escravizado sem nunca ter recebido um cêntimo. Era sujeito a múltiplas agressões, por recurso a vários métodos, inclusive a armas brancas, ao longo de um ano. Como foi mantido num ambiente de coação física e psicológica , o jovem foi incapaz de fugir aos suspeitos, como referiu hoje a PJ em comunicado. Não lhe era permitido circular livremente, nem estabelecer contactos com os seus familiares ou amigos.

Os quatro detidos foram ontem presentes a primeiro interrogatório judicial no tribunal de Portalegre, ficaram sujeitos a termo de identidade e residência, apresentações periódicas semanais e proibição de contactos com a vítima.

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

Associação "Reviver Mais" reuniu em Castelo de Vide


Realizou-se no passado dia 11 de outubro, mais um Encontro Convívio da Associação "Reviver Mais", com os atuais e antigos Comandantes e Dirigentes dos Corpos e Associações de Bombeiros do Distrito de Portalegre e elementos da Liga de Bombeiros Portugueses que fazem atualmente parte da "Reviver Mais” - Associação dos Operacionais e Dirigentes dos Bombeiros Portugueses”.

Neste encontro participaram 36 elementos, tendo os mesmos sido recebidos pelo Vice-Presidente da Câmara de Castelo de Vide, seguindo-se uma visita guiada ao Castelo e Judiaria, na parte da tarde decorreu ainda um almoço convívio.

Estes encontros têm como finalidade o aprofundar da amizade entre todos os elementos que fazem parte desta Associação.

A Delegação Distrital de Portalegre tem como Presidente e Secretário os senhores Comandante Nuno Amaral, de Arronches e ex-Inspetor Distrital Jorge Rodrigues.

Arronches - Restaurante “A Estalagem” recomendado pelo Expresso no guia “Boa Cama Boa Mesa”


Nas escolhas do jornal Expresso para o Restaurante do dia A Estalagem voltou a ser recomendada, desta vez a pretexto do Festival Monte Velho, a decorre desde hoje, dia 29 até domingo, dia 2 de novembro em Arronches, com a oferta de meia garrafa de vinho tinto ou branco “Monte Velho” a acompanhar as refeições Carpa à Estalagem ou Lacão assado no forno.


Arronches – Escaravelho vermelho chegou e começou a danificar as palmeiras


O escaravelho vermelho que tem destruído palmeiras em vários pontos do país fez o seu aparecimento em Arronches por estes dias, atacando uma árvore na zona do Convento de Nossa senhora da Luz.

O Insecto que se julga ter entrado em Portugal em 2007, já se espalhou por todo o país, à excepção dos Açores. Em sete anos dizimou milhares de palmeiras não poupando árvores centenárias e classificadas.

Esta espécie de escaravelho (Rhynchophorus ferrugineus) que ataca as palmeiras, principalmente a palmeira das canarias e as datileiras, foi detectada pela primeira vez em Portugal em 2007, em Albufeira, no Algarve. Por essa altura já Espanha, Itália e outros países mediterrânicos se debatiam há vários anos com o insecto, que é oriundo da Indonésia mas se expandiu a partir da importação de palmeiras do Egipto para a Europa. Naquele ano, a União Europeia considerou obrigatória a luta contra a praga, estabelecendo medidas de emergência. Depois disso Portugal tinha um ano para se candidatar a fundos comunitários para o seu combate, que é caro, mas não chegou a fazê-lo.

Desde então, o escaravelho foi subindo no mapa: segundo a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, em 2008 a praga foi detectada nas regiões Centro, ano em que chegou também à Madeira; em 2009 chegou à Região de Lisboa e Vale do Tejo e no ano seguinte ao Alentejo e à Região Norte. Apenas os Açores escapam, sendo a única região do país onde não há qualquer registo de contaminação.

Em Arronches como em muitas outras localidades portuguesas resta-nos assistir ao desaparecimento destas árvores, que marcaram a paisagem e faziam parte de memória de muito lugares, com a palmeira ainda existente junto à Santa Casa da Misericórdia, visível de qualquer ponto da vila.

Tentado contrair esta situação as autoridades espanholas no município de Badajoz estão a tratar os exemplares públicos com intervalos de 40 dias para evitar que sejam infectados, usando diferentes produtos químicos segundo a época do ano, num investimento que ronda os 30.000 euros, utilizados na compra de ferramentas e insecticidas na luta contra “El picudo rojo”, como é conhecido em Espanha.